Um amor que o tempo não conseguiu apagar

0 Flares Filament.io 0 Flares ×

Casamento Restaurado –  Leia o testemunho de Ebe Leite, uma mulher que jamais desistiu de ter seu casamento restaurado e sua família reconstruída

Ebe1º casamento de Ivens e Ebe no civil

“Tanto meu esposo quanto eu nos tornamos cristãos após conhecer o Senhor Jesus em reuniões realizadas na casa de uma senhora evangélica. O meu casamento era muito bom, apesar de alguns desajustes, dificuldades e restrições. Eu era feliz, amava os meus filhos e marido; ele era um bom companheiro; que se preocupava com a família e era a pessoa com quem eu havia escolhido para passar o resto dos meus dias.

Como nem tudo é perfeito, apesar do meu marido ser uma pessoa maravilhosa, tinha um defeito que me chateava muito. Muitas vezes para me poupar de certos aborrecimentos, ele me contava muitas mentiras, e isso me deixava muito nervosa. Por diversas vezes, pedi a ele que me aborrecesse com a verdade em vez da mentira, mas ele não mudou seu comportamento o que fez com que nossas brigas se intensificassem cada vez mais, desgastando a relação.

Além das brigas por causa das mentiras, outros motivos também faziam com que nos desentendêssemos. E, em meio a esse cenário de conflitos, algo ainda mais triste estava por vir. Certo dia, ao pegar o celular de Ivens, vi uma mensagem com um tom romântico, o que me deixou bastante magoada.  Perguntei sobre aquela mensagem e ele disse que não sabia do que se tratava. Por mais de uma vez brigamos e neste dia ele resolveu sair de casa.

Naquele momento, mal podia acreditar que meu marido estava indo embora. Eu não conseguia imaginar que um relacionamento de 24 anos estava se desfazendo diante dos meus olhos. Como chorei!

Ivens voltou a morar com mãe e de lá passou por diversas pensões de Belo Horizonte. Na minha cabeça, pensava que ele estava dando um tempo e que em breve iria voltar. Durante esse período, lembro que me dediquei muito à oração. A única coisa que passava pela minha cabeça era orar. Clamava ao Senhor para que Ele tirasse aquela dor do meu peito, que me desse força, pois não queria que os meus filhos me vissem sofrendo, e que meu marido voltasse para a casa.

Os dias foram passando e nada de Ivens voltar para casa. Então, comecei a refletir sobre o meu casamento. Pensava sobre como estávamos nos relacionando nos últimos tempos; nosso comportamento perante o casamento; onde estava o erro; e tentava me lembrar a todo custo em qual momento o elo da nossa relação havia se partido.

Cópia (2) de Ebe1º casamento de Ivens e Ebe na igreja

E, em meio a esses pensamentos, percebi que a culpa da nossa relação ter se desgastado não era só do Ivens. Eu também havia cometido uma série de erros, entre eles a questão da submissão. Com quatro anos de idade perdi meu pai e cresci vendo a minha mãe tomar a frente de tudo, o que de certa forma me influenciou bastante. Por muitas vezes, tomei decisões e realizei uma série de ações sem consultar meu marido.

Aliado a isso, por ser uma mãe muito zelosa, em certas ocasiões, deixei de sair ou estar com meu marido para dá mais atenção aos meus filhos. Lembro de uma vez que Ivens me chamou para irmos ao cinema e disse a ele que não iria porque não queria deixar meus filhos sozinhos, e eles já não eram mais crianças.

Outro fator agravante foi o falecimento da minha mãe. Além dos meus filhos, passei a cuidar da minha irmã mais velha, que é especial e, até então, era cuidada pela minha mãe. Diante disso, meu tempo e atenção ficaram ainda menores para meu marido.

Além da falta de atenção, eu também já não me importava tanto com a minha aparência, era tão segura e tranquila em relação ao meu casamento que jamais imaginava que Ivens um dia iria me deixar e acabar se envolvendo com outra pessoa. Enfim, foi um momento em que pude realmente refletir sobre as minhas falhas como esposa e mulher, e ser tratada por Deus.

Mas, como já disse, refleti também sobre a postura do meu marido. Concluí que, antes de sair de casa, Ivens já não era mais o mesmo. Ele estava diferente, distante, nervoso, impaciente e de pouca conversa. Ele já não era mais aquele homem que sempre estava em movimento, consertando alguma coisa estragada em casa, como uma torneira, entre outras coisas. Ele, na verdade, estava em casa, mas era como se já não estivesse. Estava muito ausente. Sempre saía para resolver alguma coisa e, para evitar brigas, eu nem perguntava onde ele estava indo ou o que iria fazer.

Slide42º casamento de Ivens e Ebe na Igreja

Depois de algum tempo que Ivens saiu de casa, fiquei sabendo que ele estava se relacionando com uma pessoa. A princípio não acreditei, mas depois descobri que era verdade. Fiquei muito triste e ferida, mas minha postura foi de orar e buscar o Senhor. Cada vez mais me colocava de joelho e clamava por uma resposta de Deus. Queria que o Senhor me dissesse se havia alguma possibilidade do meu marido voltar para a casa. E, durante as minhas orações, a única resposta que tinha era que devia esperar. Nesta época, também me recordo que comprei CDs e DVDs e li livros que sempre falavam de esperar no Senhor.

Entretanto, certo dia, Ivens me ligou dizendo que queria o divórcio. Não acreditei e fiquei muito confusa. Não estava entendendo nada. O Senhor me pedia para esperar e o meu marido liga e pede divórcio? Num primeiro momento, eu não queria o divórcio, pois para mim casamento era para vida toda. Mas, após uma conversa com uma irmã da igreja que me disse que não seria um papel assinado pelo homem que iria anular o meu casamento e os planos de Deus sobre a minha vida, resolvi conceder o divórcio e definir aquela situação.

Lembro que no dia da minha separação, ouvi a doce voz do Espírito Santo me dizendo para abaixar a minha cabeça e não deixar o diabo roubar a minha coroa. Era como se Deus estivesse me dizendo que estava vendo a minha luta e que Ele estaria sempre ao meu lado. Prestes a assinar os papéis, recordo-me também que, numa atitude de fé, perguntei se poderia continuar usando meu nome de casada. Ivens disse que sim e o divórcio foi assinado. Durante os quase nove anos em que ficamos separados usei meu nome de casada e não tirei o nome dele das contas da minha casa, na esperança de que um dia ele retornasse para casa.

Passado um ano do nosso divórcio, Ivens se casou novamente. Após o casamento, conversei com o Senhor e disse a Ele que era chegado o momento de cessar as orações, pois era como se eu estivesse desejando o marido de outra mulher. Porém, Deus me disse que continuasse orando.

Slide12º casamento de Ivens e Ebe na igreja

Mesmo separados, Ivens e eu não perdemos contato. Ele frequentava minha casa e tínhamos um relacionamento civilizado. Porém, em Janeiro de 2013, mês em que meu filho André iria se casar, Deus preparou um novo tempo para minha vida. Lembro-me que nesta época estava muito triste, pois imaginava que iria ficar sozinha em casa. Minha filha já havia se casado e agora era a vez do meu filho. Pensei, e agora? Meu marido se foi, minha filha, agora meu filho, o que vai ser de mim? Mas o Senhor é tão maravilhoso e faz tudo tão certo, que um dia, quando eu menos imaginava, Ivens me ligou e de uma forma muito direta e objetiva me pediu perdão por tudo o que havia feito; pelos seus erros; pela sua decisão errada e que eu era a mulher da vida dele. Também, para minha surpresa, perguntou se eu o aceitava de volta. E se o aceitasse, naquele mesmo dia, voltaria para casa.

Nesta hora, mal podia acreditar no que estava ouvindo. Então disse a ele, que o aceitaria de volta, mas que, primeiramente, teríamos que passar por um novo processo de relacionamento e se ele estava ciente e concordava com isso. Ele rapidamente concordou e, no dia seguinte, retornou para a casa.

Ivens e eu começamos a namorar, ele se retratou perante a igreja que frequentávamos na época de casados, se divorciou, noivamos e em agosto de 2013, novamente nos casamos no civil e na Igreja.”

*Queridos internautas, o testemunho da irmã Ebe é para edificar sua vida mostrando a fidelidade do Senhor, no entanto baseie sua fé na Palavra de Deus. Testemunhos são experiências particulares que não podem ser usados como padrão para ação de Deus na sua vida. Deus tem uma forma particular para agir na vida de cada pessoa do corpo de Cristo.

:: Ebe Leite, 55 anos

Texto: Cristiane Soares
Fonte: Lagoinha.com